Galera de Cristo 03 - O Reino dos Céus é Prioridade

"Bem aventurados os pobres em espírito, pois deles é o Reino dos céus"  Mateus 5.3
PAPO SÉRIO
DEUS QUER PRIORIDADE!
O que podemos ver nesses últimos dias, é que não buscamos mais o Reino de Deus, e muito menos a Sua justiça. Queremos que seja feita a justiça como imaginamos. As igrejas, de um modo geral, não pregam mais sobre o Reino de Deus, mas sobre tantas outras coisas, coisas essas que os ouvintes se interessam. Esses versos de Mateus nos revelam que se buscarmos em primeiro lugar o Reino de Deus e a Sua justiça todas as coisas nos serão acrescentadas. Mas queremos buscar primeiro os nossos interesses, a nossa vontade. Na verdade não sabemos esperar a vontade de Deus. Quando buscamos o Reino de Deus, começamos a valorizar as coisas que Deus valoriza, e uma das coisas que Deus mais valoriza é a vida humana pode ter certeza. De nada vale vivermos uma vida inteira dentro da igreja e ao final dela não apresentarmos frutos dignos de arrependimento. Se não revelarmos em nossa vida uma mudança, uma transformação, e levarmos pessoas a essa mudança, a essa transformação, não há sentido algum na vida cristã. Em conseqüência a isso, não há sentido vivermos na igreja e em momento algum nos interessarmos pelos propósitos de Deus. Deus nos chama e esse chamado deve revelar uma essência. A obra da nossa vida tem um propósito, o propósito que Deus quer. Deus quer nos usar, Ele quer uma igreja que seja usada, mas precisamos entender esse chamado, e aprendermos a buscar a manifestação do Reino de Deus. E o Espírito Santo é quem pode nos ajudar, “Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito” (João 14:26). Deus nos tirou das trevas com um propósito. Precisamos dar prioridade a um relacionamento com Deus, um relacionamento que dá frutos, que gera filhos. Para isso precisamos discernir as coisas espirituais, “Pois, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente”, (I Coríntios 2:14). Buscando o Reino de Deus em primeiro lugar passamos a entender as coisas espirituais, e começamos a nos interessar cada vez mais por elas. E as coisas materiais passam a ficar em segundo plano em nossas vidas, começamos a dar menos valor a elas. A nossa vida deve revelar que somos salvos, que somos um cidadão do céu. Isso é o que Deus quer extrair das nossas vidas. Como diz: “Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus, (Romanos 12:1-2). Com tudo que nos é apresentado nos dias atuais, está ficando cada vez mais difícil ser um servo onde Deus possa extrair algo de bom. Mas Deus insiste em nossa vida, Ele quer nos ver buscando o Seu Reino e a Sua justiça a cada dia, por mais que o mundo diga que isso está ultrapassado, que isso não tem mais importância, devemos continuar, pois Deus jamais desiste de nós
Três razões pelas quais devemos optar por priorizar Deus e seu reino:

 Deus exige prioridade absoluta 

    O Deus que servimos não aceita ser segundo, não aceita dividir o trono de nossas vidas. Ele é um Deus Zeloso. Ou é prioridade absoluta ou nada feito. Deus não disputa posições, não entra em pleitos, não abre espaço concorrência. Só há um trono em nossos corações e Deus quer assentar-se nele do contrário, ele estará do lado de fora batendo para poder entrar.  Dentro desta lógica a preocupação com a vida é pecado na medida em que se tornam uma espécie de ídolo, pois atraem nossa atenção, nosso foco, suga nossas energias ocupando a centralidade dos nossos pensamentos e emoções que deveriam ser dirigidas a Deus. Note o que  “II Pedro 2.19 diz:”.. Porque de quem alguém é vencido, do tal faz-se também servo."

  Priorizar o Reino de Deus é a única maneira de sermos livres da “ansiedade” 

     A ansiedade é o mal do século e ela é alimentada pela insegurança, pela dúvida, pela incerteza quanto ao futuro, quanto aos cenários dos quais não temos controle (v.27). Quando priorizamos o Reino é como se estivéssemos estabelecendo com Deus um contrato ou acordo no qual nos dispomos a nos preocupar apenas com as coisas dele enquanto Ele se encarrega das nossas. Agora eu te pergunto. Agora pense, “Se eu tiver o Senhor de toda a Terra, dono do ouro e da prata e de tudo o que existe (Ageu 2.5, I crônicas 29.11-12, Salmo 104.27-30), aquele que é todo poderoso encarregado das minhas coisas como é que vou viver ansioso. I PE 5.7 “lançando sobre ele toda a vossa ansiedade”. O verbo Lançar no grego é não é dividir, mas “Transferir o fardo” na certeza de que Deus se preocupa comigo e se interessa em aliviar de sobre minha vida o peso das preocupações e dos temores.
     
    Priorizar o reino de Deus é o único modo de experimentar o cuidado e a fidelidade  sobrenatural do Senhor 
 
 “Olhem os passarinhos... olhem os lírios...” são duas coisas insignificantes, pequenas e Deus se preocupa com elas, como não se preocuparia com aqueles a quem amou tanto a ponto de dar a sua própria vida (Romanos 8.32), Isaias 49.15, Salmo 34.10, Lucas 11.11 e 12 “qual o pai que o filho....”  -Só pode experimentar o cuidado e a fidelidade do Senhor quem se dispôs a ceder a ele o controle, as rédeas da vida. Isto fica claro inclusive no salmo 23.1 quando o salmista declara: “O Senhor é o meu pastor...".  Sem que Ele seja Senhor voce não vai experimentar a benção de tê-lo como Pastor! Este é um privilégio apenas decidiram confiar inteiramente nele e descansar em sua fidelidade. Sua promessa é fazendo assim “todas estas coisas vos serão acrescentadas”. As bênçãos do Senhor te acompanharão, correrão atrás de você” (Deut 28.1-13). Diante das incertezas, da imprevisibilidade das circunstancias temos duas alternativas: Ou Abrimos mão do controle de nossas vidas transferindo para Deus nossos fardos, preocupações e medos para experimentarmos de seu cuidado e de sua fidelidade; Ou passamos todo este ano deprimidos, inseguros nos sentindo impotentes, indefesos e abandonados diante de tantas incertezas e temores.

POBRES DE ESPIRITO

Jesus começa começa o Sermão da Montanha destacando uma das características do cidadão do Reino dos céus. Este verso é a chave para compreendermos todos os demais ensinamentos de Jesus dados nessa ocasião. Ao afirmar que o Reino dos céus pertence aos pobres em espírito, Jesus está dizendo que todos os seus mandamentos são para as pessoas dessa natureza. Assim, os ensinos deste Sermão não são para toda a multidão. Sendo o Sermão da Montanha o código de ética do cidadão do Reino dos céus, podemos afirmar que este Reino é composto por pessoas que são pobres em espírito. Todas as demais características do cidadão deste Reino derivam desta primeira. O termo usado para designar “pobre” nesse versículo tem o sentido de alguém privado de todas as coisas, alguém que não possui absolutamente nada. Assim, para que o discípulo seja admitido nesse Reino é necessário não ter nada, ou estar desprovido de todas as coisas. Dessa forma, ser pobre em espírito significa que quando estamos diante de Deus, nós nos reconhecemos vazios e sem nada para oferecer. A consequência prática desse ensino é que nós devemos reconhecer nossa incapacidade e pecado quando estamos diante de Jesus. Nós somos pecadores vazios que precisamos ser salvos. Se nós somos pobres em espírito, nós nos reconhecemos pecadores. Se nós nos reconhecemos pecadores, nós nos daremos conta de que precisamos da graça de Deus. Se nós temos a graça de Deus, nós somos salvos. E se nós somos salvos, nós somos cidadãos do Reino dos Céus.Uma vez que nos reconhecemos pobres em espírito, sabemos que não podemos fazer nada sem a graça de Deus, nem mesmo cumprir os demais mandamentos que vem depois deste.É por isso que o Sermão da Montanha não é uma ordem para moralizar o mundo, nem um conjunto de leis para instaurar o Reino dos Céus como uma instância política aqui na Terra.Nós estamos vazios e não podemos fazer nada à parte da graça de Deus. A transformação do discípulo de Jesus, do cidadão do Reino dos céus, acontece sempre de dentro para fora e nunca o contrário.Assim, ele começa a sua transformação de caráter internamente antes de fazer qualquer coisa externamente. Essa transformação interior que começa por admitir o seu vazio diante de Deus, choca-se com o padrão do mundo que pede que as pessoas sejam poderosas, descubram sua força interior, que sejam conquistadoras e independentes. Entretanto, Jesus pede que os seus discípulos admitam seu vazio interior, sua fraqueza e sua dependência da graça de Deus. O discípulo de Jesus não conquista o mundo, pois o Reino dos céus já lhe foi dado. Ser pobre em espírito não quer dizer ser tímido ou retraído. Não se trata também de uma falsa humildade ou modéstia. Há momentos nos quais fazemos determinadas coisas para que todos observem nossas atitudes de modéstia e humildade. Da mesma maneira nós não temos que fazer grandes sacrifícios para sermos pobres em espírito. Não é isso que Jesus está pedindo do seu discípulo.Ser pobre em espírito é simplesmente se reconhecer pecador diante de um Deus Santo. É se reconhecer vazio diante do Deus todo-poderoso. Todos nós temos medo do vazio, pois quando estamos diante dele nós somos obrigados a olhar dentro de nós mesmos. E quando olhamos para dentro de nós mesmos, nós percebemos que temos a necessidade de sermos transformados. O apóstolo João em sua primeira carta (1 Jo. 3:2) afirma que nós ainda não somos aquilo que verdadeiramente seremos um dia. E aquilo que seremos um dia, pela transformação gerada pela graça de Deus em nós, nos leva diretamente ao Reino dos céus, que foi feito para aqueles que se reconheceram pobres, vazios e dependentes da graça de Deus. Não é possível estar diante de Deus sem reconhecer nosso vazio interior, nossa limitação e sem reconhecer nossa dependência da sua graça e misericórdia. O Reino dos céus pertence a esses que já passaram pela experiência de se descobrirem vazios diante do Deus todo-poderoso.

FONTES DE PESQUISA

a.com/2015/12/02/sermao-da-montanha-pobres-de-espirito/#.WWP_sfnysdU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lição 02 - Aliança Edênica e Aliança Adâmica

Lição 12 - Ciúme, o Cabo da Tormenta

Lição 08 - Culpa, a Prisão da Mente